Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2017
uma estação testemunhou
a minha transgressão
luz
véspera de ano novo
no meu peito
e nas mãos a apreensão
de quem se vê mudar
de pele
de dentro pra fora
renascendo ali: na luz
do dia da cidade cinza
tão viva quanto o céu
azul da planície
tão luz quanto a estação
que testemunhou a minha
transgressão
a poesia me tomou
num súbito
eu entrei numa linha
a caneta escorreu meu peito
entre metáforas e trocadilhos
mal feitos
do gosto pela bagunça
na falta da lírica perfeita
arriscando versos sem rima
porque a métrica não faz falta
quando a poesia te toma
e a poesia me tomou.num súbito.