Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2018
toma e
amassa o peito
toda vez que aponta
na esquina
calibra este sangue
ao mesmo compasso
dos espaços aflitos
que o teu coração bombeia
de uma batida para outra
pega e
acoita o sono
ou a brisa
ou qualquer rumo que
a lembrança queira tomar
pois na ponta de cada
dedo calejado
meio morto
nasce vida ao toque
entrega
que os olhos revoltam-se
com a falta do sombreado
da figura do outro
e a saudade é
o ponto de partida
da vontade